O Abraço da Serpente

Filme a preto e branco, realizado por Ciro Guerra, sobre a Amazónia e a busca incessante de uma planta longínqua, acessível apenas a quem nela acredita, que cura, que ajuda a sonhar. O preto e branco é especial neste filme, é como se as imagens não fossem reais, como se estivéssemos num sonho, como se o tempo fosse apenas um.

Beleza, paisagem, medo, loucura, tranquilidade, morte, doença, mágico, espiritual, procura de si mesmo, são algumas das palavras que me surgem. O filme é uma constante procura, talvez de um mundo melhor, onde o Homem nada mais é do que um elemento da natureza, que respeita e admira.

O filme retrata a expedição do etnólogo, antropólogo e fotógrafo alemão Theodor Koch-Grunberg pela Amazónia, em busca de uma planta sagrada, a yakruna, com o poder de lhe salvar a vida. A mesma viagem foi realizada muitos anos depois, também em busca desta planta mágica, por Richard Evans Schultes. Subjacente às duas expedições está a presença do xamã, Karamakate, guia e guardião daquele mundo natural.

Vale a pena conhecer um pouco mais o trabalho de Grunberg na fotografia etnográfica e antropológica, aqui e de Schultes, considerado o pai da atual etnobotânica, aqui

Trailer:

 

 

Cinema – O sonho de Wadjda

Wadjda é uma menina de 10 anos que vive com a mãe em Riad, a capital da Arábia Saudita. As mulheres vivem num mundo separado do dos homens e os dois mundos só se encontram por alguns (poucos) momentos, entre quatro paredes.

Wadjda tem um sonho: comprar uma bicicleta verde que viu numa loja, para ter mais autonomia, para fazer corridas de bicicleta com o seu melhor amigo, numa sociedade onde as mulheres são transportadas em automóveis de vidros opacos, para não serem vistas e vivem na sombra, dependentes do homem. A qualquer momento poderão ter que o partilhar com outra(s) mulheres.

Mas Wadjda não desiste, tem espírito empreendedor vai trabalhar para conseguir a sua bicicleta.

THE ORCHARD KEEPERS

“Perante um painel de fundo de instabilidade política, uma ilha de verde flutua no árido deserto Sinai; dois Beduínos embarcam na jornada diária necessária para manter vivo o seu pomar. A realizadora Bryony Dunne mistura a sua própria história, descobrindo os pomares durante um período de volatilidade e a atemporal estabilidade que fornecem.”

Retirado daqui

Interessante e a ver. Uma perspectiva feminina. O que seria do Mundo sem as Mulheres e a sua sensibilidade?

Entre ecos da tradição

A ver, obrigatoriamente 🙂

Máquina de Escrever

Baseado numa popular história tradicional do Japão, o novo filme de Isao Takahata (um dos nomes mais sonantes dos Estúdios Ghibli, responsável pela angustiante tragédia animada O Túmulo dos Pirilampos) vai mais além do que a mera “adaptação literária”. Utilizando uma técnica de animação bastante curiosa, semelhante à utilizada em A Família Yamada, mas possuindo também contornos de um autêntico storyboard, O Conto da Princesa Kaguya é uma singular recriação dos mitos fantásticos da cultura de um país e da beleza das suas histórias, dos seus segredos e da magia incondicionalmente ligada ao estilo dos estúdios de animação mais conhecidos do Japão.

Nomeada ao Oscar para Melhor Filme de Animação (prémio que, tal como em 2013 sucedeu com As Asas do Vento, foi entregue a uma produção da Disney), esta história de fantasia sobre uma personagem insólita que se vê confrontada com as alegrias e as…

View original post mais 121 palavras