A caravana

A crise dos refugiados continua a agravar-se e surgem na sociedade civil europeia várias iniciativas de apoio.

Recentemente fui surpreendida pela iniciativa, de que é co-organizador um antigo colega do curso de Direito da Universidade Autónoma de Lisboa: Famílias como as Nossas. Pesquisem no google e no Facebook, há vários grupos de apoio e apoiem!

Trata-se de uma caravana de famílias portuguesas, que partiu de Portugal em direção ao leste da Europa, para trazer para Portugal famílias como as “nossas”. Concordo e partilho inteiramente do conceito e dos valores, mas …

Anúncios

Migrante vs Refugiado – analisemos os conceitos

Há uma confusão que se vai instalando na nossa comunicação social e na nossa sociedade. Fala-se em migração quando esta implica a voluntariedade o que vemos são pessoas em fuga desesperadas, refugiados

Há uma confusão que se vai instalando na nossa comunicação social e na nossa sociedade, há medida que somos confrontados com as noticias das pessoas que fogem dos seus países procurando a desejada segurança da Europa. São apelidados de migrantes, fala-se em migração quando esta implica a voluntariedade da ação e o que vemos são pessoas em fuga desesperadas com guerras, regimes ditatoriais, pobreza, fome, falta de esperança. São obrigadas a sair das suas casas, deixam família e amigos para trás (os que sobrevivem) e são obrigados a fugir, sem saber se conseguirão sobreviver a essa fuga.

As imagens que vemos, comboios cheios de pessoas, os barcos da morte no mediterrâneo e atlântico, são muito próximas das imagens do holocausto da Segunda-Guerra Mundial e não posso deixar de ficar chocada com noticias como “Eslováquia anuncia que só vai receber imigrantes cristãos”

Sejamos realistas, não tapemos os olhos com a peneira, são refugiados que procuram asilo, não são migrantes. Mas, mais do que conceitos ou religiões, são pessoas, devem ser tratadas como tal e os ditos países desenvolvidos devem assumir as suas responsabilidades pelas causas que conduzem a este êxodo.

Significado de Migração

s.f. Processo de entrada e de saída, respectivamente de imigração ou de emigração, de uma pessoa ou de um grupo de pessoas que, geralmente, desejam uma vida melhor; esse processo ocorre de um país para outro ou de uma região para outra.
Ecologia. Movimentação constante de espécies que saem de uma região para outra, normalmente ocasionada por uma mudança no clima ou no ambiente.
(Etm. do latim: migratio.onis)

Significado de Refugiado

adj. Que se encontra em refúgio; que foi obrigado a se refugiar.
s.m. Indivíduo que se refugiou: refugiado de guerra.
Refugiado político. Pessoa que foi obrigada a deixar sua pátria por sofrer perseguição política; exilado.
(Etm. Part. de refugiar)

In Dicionário Online de Português

Migrantes embarcam em Belgrado em comboio com destino à fronteira com a Hungria © ANDREJ ISAKOVIC/AFP
Migrantes embarcam em Belgrado em comboio com destino à fronteira com a Hungria © ANDREJ ISAKOVIC/AFP

Táxi e eleições na Madeira

Ainda a dormir, apanhei um táxi para a estação, porque já estava atrasada. Como de costume, apanhei um táxista falador, lá ia comentando as últimas noticias que iam passando no rádio, a lista dos VIP’s nas Finanças …”Que país este! Estamos entregues aos bichos”! E eu naquele estado dormente …

Entretanto, já quase no fim da viagem acordo e lembro-me de comentar, para o senhor coitado não pensar que estava a falar sozinho. “Ha! pois, pois, o PSD perdeu a  maioria absoluta na Madeira não foi?”

“Não menina … não ouviu a noticia que deram agora? Afinal ganhou depois de uma recontagem nos votos. São todos iguais!”

A sério?! pensei eu … o melhor é voltar para a caminha e dormir, sonhar com outro país e outros governantes! Quando é que há uma revolução nesta porra de país?!

CNE admite “erro crasso e indesculpável nas eleições da Madeira”

Será brincadeira de dia das mentiras?

Nota: Tenho saudades de ver o povo empolgado nas ruas, de cantar o acordai, das manifestações, do 12 de março, da juventude à rasca, da manifestação em defesa da cultura (que se realizou na praça de Espanha) há 2 ou 3 anos, dos Anonymous. Este povo é amorfo!

Dia da burrice nacional

Já ouviram falar do Dia da Defesa Nacional? E dos dias da Raça, da Pátria, do Trabalho? Inventados pela máquina de propaganda do Estado Novo. Qual é a diferença?

Fiquei hoje a saber que os jovens estão a ser convocados (notificados por oficio formal) pelo Governo de Portugal, para participarem nas comemorações do Dia da Defesa Nacional. Todos os jovens, independentemente do sexo, estão a ser convocados para isto. Parece que é um dever militar.

“O Dia da Defesa Nacional visa:

  • Sensibilizar os jovens para a temática da defesa nacional;
  • Divulgar o papel das Forças Armadas, a quem incumbe a defesa militar da República.

A comparência ao Dia da Defesa Nacional é um dever militar que abrange todos os cidadãos portugueses de 18 anos de idade e é cumprido nos Centros de Divulgação de Defesa Nacional, sedeados em unidades militares dos três ramos das Forças Armadas.

A falta não justificada implica:

  • a aplicação de uma coima entre os 249,40€ e os 1247€;

  • inibição para o exercício de funções públicas;

  • fixação de novo prazo para o dever de comparência ao Dia da Defesa Nacional.”

Fonte: Portal da Juventude

O que é isto meu Deus? Em que país vivemos? Qual é o interesse desta ….. ? E para tornar a coisa mais interessante colocam no site as fotografias de dois jovens acabados de sair dos Morangos Com Açúcar de há 5 anos atrás…

E pronto…acho que hoje me apetecia bater em alguém, já está!

communis

Na sequência do post anterior, lembrei-me de falar um pouco sobre uma realidade politica que tenho diariamente há alguns anos…o trabalho com pessoas ideológica ou partidariamente defensoras da ideologia comunista ou membros do Partido Comunista. Ups…eu sei, é um tema sensível…

Existem várias correntes doutrinárias dentro do comunismo, várias orientações, alguns são mais stalinistas, outros mais Leninistas, outros são apoiantes e não sabem, ou não querem admitir.

Wikipedia: “Comunismo (do latim communis – comum, universal “coisa – pública”, segundo Platão) é uma ideologia política e socioeconómica, que pretende promover o estabelecimento de uma sociedade igualitária, sem classes sociais e apátrida, baseada na propriedade comum e no controle dos meios de produção.”

Desde 2006 que tenho a experiência de trabalhar em organizações, com pessoas ligadas a esta ideologia, sem partilhar da mesma. Tem uma vertente positiva, porque os assuntos e algumas decisões tendem a ser partilhados, ouvindo e obtendo previamente o contributo de várias pessoas, na procura de um maior envolvimento e participação coletiva.

Mas, é também aqui que reside o maior problema, porque tende a secundarizar o individuo a favor do coletivo e muitas vezes existem contributos, boas ideias, ideias inovadoras de indivíduos, que se perdem, que ficam submersos no coletivo, sendo apenas o coletivo que vale no final. As organizações, as empresas, os Estados não existem, existem pessoas, indivíduos que devem ser valorizados, defendidos, porque desse modo essas entidades ficarão mais ricas.

Nota-se um receio constante em apontar, em premiar os bons desempenhos individuais, o mérito individual. Há dias, suscitei essa questão e falou-se em projetos, equipas, em vez de indivíduos. Sempre o mesmo…e as pessoas?

Outro aspeto negativo deste trabalho coletivo é que muitas vezes cria entraves, atrasos, círculos viciosos na tomada das decisões, por vezes as coisas simplesmente não andam…

Como sou observadora, deteto alguns comportamentos comuns: por exemplo, o secretismo em volta de alguns assuntos ou decisões (o que inexplicavelmente contraria ao que atrás se disse sobre a participação) e alguma tendência para um neo-burguesismo social. Tive uma colega de que me dizia que os comunistas são mais burgueses que muitos capitalistas, e não deixa de haver alguma razão.

Acreditar numa utopia, que tudo vai mudar e que vai ser o partido comunista a tomar nas mãos essa mudança. Não é isso que vejo (e penso que nunca irá acontecer) na Grécia e em Espanha, por exemplo, apesar de serem movimentos de esquerda.

São movimentos que resultaram do descontentamento das pessoas, dos indivíduos, que espontaneamente e em liberdade procuraram uma nova forma de ordem social. Será anarquismo?COMUNISMO600px-Anarchy-symbol.svg